Monitorização ambiental e previsão operacional

O Instituto Hidrográfico possui a competência técnica e os meios operacionais para assegurar a monitorização ambiental e a previsão operacional em áreas costeiras e oceânicas.

O Instituto Hidrográfico dispõe de equipas multidisciplinares especializadas nos domínios da hidrografia, da oceanografia física, química, geologia e geofísica marinhas. Esta capacidade integrada permite a realização de estudos da evolução da batimetria e do regime de agitação marítima, marés e correntes oceânicas, bem como a caracterização dos sedimentos e sua dinâmica. Possibilita, igualmente, a medição de parâmetros físicos e químicos da água do mar, assim como de variáveis meteorológicas costeiras e oceânicas.
Através da valorização da informação inerente à combinação de diferentes parâmetros ambientais e da utilização de diversos modelos numéricos, é efetuada a previsão meteo-oceanográfica adaptada a várias escalas geográficas.

Monitorização Ambiental

Redes permanentes

  • Rede maregráfica
    A rede maregráfica é constituída por um conjunto de estações instaladas em Portugal continental, nos arquipélagos da Madeira e dos Açores. As estações de Ponta Delgada, Lajes das Flores, Funchal e Cascais integram a rede GLOSS (Global Sea Level Observing System), sendo os marégrafos de Cascais e de Lagos geridos pela Direção Geral do Território (DGT).
  • Rede de boias
    A rede de boias é uma das componentes do sistema de monitorização ambiental nacional. Tem contributos do Instituto Hidrográfico, da Universidade dos Açores e da Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira .
    É constituída por um conjunto de estações distribuídas na plataforma continental, sendo as boias costeiras fundeadas em locais de profundidade inferior a 100 metros e as boias oceânicas em zonas superiores a 1000 metros.
    As boias estão equipadas com sensores que permitem a caracterização dos parâmetros de agitação marítima, temperatura superficial da água e também têm um sistema GPS que permite obter a localização geográfica. As estações oceânicas, para além dos sensores referidos, dispõem ainda de sensores meteorológicos e ambientais.
  • Rede de radares costeiros

    A rede de radares costeiros de alta frequência permite monitorizar o campo vetorial das correntes superficiais. O sistema de observação está distribuído por três regiões: a área adjacente ao Porto de Lisboa, a que se estende do Estreito de Gibraltar até ao Cabo de São Vicente e na Ilha da Madeira. A zona de Lisboa é composta por duas estações: uma no Cabo Espichel (38,4155ºN e 9,2167ºW) e outra no Forte de São Julião (38,6745ºN e 9,3264ºW). A área do Sul é constituída por quatro estações: Farol de Sagres (36,9945ºN e 8,9492ºW), Farol de Alfanzina (37,0868ºN e 8,4425ºW), Monte Gordo - terraço do Hotel Dunamar (37,1788ºN e 7,4439ºW) e a Huelva - Mazagon (37,1316ºN e 6,8329ºW) gerida pelos Puertos del Estado - Espanha. Na Madeira, as antenas geridas pelo Observatório Oceanográfico da Madeira estão instaladas no Centro de Maricultura da Calheta (32,721ºN e 17,179ºW) e na Biblioteca Municipal de Câmara de Lobos (32,649ºN e 16,980ºW).
    Nesta rede de radares costeiros, obtêm-se medições horárias, com uma resolução espacial de 1,3km, numa malha ortogonal, onde o alcance máximo das radiais é de aproximadamente 100km.

 

Previsão Operacional

Diariamente, o IH recebe os resultados de modelos meteorológicos, através de convénio com outros laboratórios nacionais e internacionais, e corre operacionalmente diferentes modelos de agitação marítima.
Aceda aos menu Produtos deste portal para visualizar os diferentes produtos desenvolvidos no âmbito da previsão operacional.

 

Observatórios

  • Observatório no Norte da Península Ibérica

  • Observatório do Canhão da Nazaré - MONICAN

  • Observatório Costeiro Ambiental do SudOueste OCASO
    O Observatório Costeiro Ambiental do SudOueste , surge na natural sequência do Observatóio RAIA, este no Norte da Península Ibérica.
    Assente na estrutura de monitorização e observação já existente, do Instituto Hidrográfico, ao longo de toda a costa algarvia, vê agora a sua área expandida até ao Golfo de Cádiz com o consórcio criado especificamente para este projeto.
    Este consórcio, constituído pelo Instituo Hidrográfico, Universidade do Algarve (CIMA), Universidade de Cádiz, Puertos del Estado e Instituto Español de Oceanografia visa desenvolver uma estrutura de observação e de previsão transfronteiriça, disponibilizando informações sobre as condições e variáveis do meio marinho.



Rede de monitorização ambiental e previsão operacional
Boia ondógrafo
Boia multiparamétrica
Marégrafo
Observatório da Nazaré
 2018-09-26   125 / 125 / 6559;