Serviços Laboratoriais

De maneira a prosseguir a sua missão, o Instituto Hidrográfico (IH) dispõe de equipas especializadas e de capacidade laboratorial acreditada para a realização de diversos tipos de análises e ensaios no âmbito das ciências do mar.

Análises da Divisão de Química e Poluição do Meio Marinho

O IH dispõe de capacidade laboratorial para a realização de diversos tipos de análises químicas em amostras de água do mar, sedimentos e organismos vivos, realizadas no Laboratório de Química e Poluição do Meio Marinho, tais como:

  • Parâmetros físico-químicos clássicos - pH, oxigénio dissolvido, sólidos suspensos totais, salinidade, dureza, alcalinidade, turbidez, condutividade, matéria orgânica e peso seco;
  • Parâmetros biológicos - clorofilas e feopigmentos;
  • Nutrientes - nitrato, nitrito, fosfato, sílica, amónia, sulfato, azoto e fósforo dissolvidos e totais;
  • Metais pesados - alumínio, arsénio, cádmio, cobre, crómio, ferro, mercúrio, níquel, lítio, manganês, chumbo e zinco;
  • Compostos orgânicos - organoclorados (policlorobifenilos e pesticidas), óleos e gorduras, hidrocarbonetos totais e hidrocarbonetos aromáticos policíclicos.

Análises Sedimentologicas

Análise de sedimentos e de material particulado em suspensão colhidos no âmbito de estudos de caraterização dos fundos marinhos, dinâmica sedimentar, paleo-oceanografia e análise geotécnica, sendo de destacar os seguintes métodos analíticos:

Análises dimensionais

  • Granulometria por peneiração (63 µm a 31,5 mm) – Método: NT.LB.22 v01.01 / NP EN 933-1:2014;
  • Granulometria por difração laser (0,02 a 2000 µm) – Método: NT.LB.23 v02.02 / ISO 13320-1:2009;
  • Granulometria de micro-volumes (µp) por difração laser (0,02 a 120 µm) – Método: ISO 13320-1:2009.

Análises composicionais:

  • Análise composicional recorrendo a instrumentação ótica (lupa binocular e microscópio petrográfico) com componentes principais (biogénicos e não biogénicos) e identificação de minerais leves e pesados (partículas >63 µm);
  • Análise Mineralógica por difração de raios X (DRX) em sedimentos e material particulado;
  • Análise elementar por fluorescência de raios X (XRF) em sedimentos e solos;
  • Teor em carbono por espetrometria de absorção de infra-vermelhos (Carbono Orgânico Total - TOC, Carbono Total -TC, carbono Inorgânico Total -TIC) em sedimentos – Método: NT.LB.26 v02.00/ NT.LB.29 v02.00 / EN 13137:2001;
  • Teor em carbono por espetrometria de absorção de infra-vermelhos (Carbono Orgânico Total - TOC, Carbono Inorgânico Total - TIC, Carbono Orgânico dissolvido - DOC) em águas – Método: EN1484:97;
  • Teor em azoto total em sedimentos por termo-condutividade.

Core logging

  • Fotografia;
  • Descrição visual;
  • Medição da suscetibilidade magnética;
  • Medição da velocidade da propagação das ondas P;
  • Espectrometria na banda de luz visível;
  • Análise elementar por XRF.

Ensaios geotécnicos

  • Teor em água – Método: ISO 17892-1:2014;
  • Densidade de partículas – Método: ISO 17892-3:2015;
  • Densidade aparente – Método: ISO 17892-2:2014;
  • Limites de Atterberg (concha Casagrande / Cone penetrómetro) – Método: ISO 17892-12:2004;
  • Resistência ao corte não drenada – Método: ISO 17892-6:2017;
  • Ensaios de compressão triaxial (Consolidado Drenado CD e não drenado CU; Não consolidado não drenado UU) – Método: ISO 17892-9:2004 / BS 1377-8:1990.

 

Calibração

São vários os ensaios de calibração disponíveis na área da Oceanografia e Hidrografia, nomeadamente:

Pressão Hidrostática (ensaio acreditado pela norma NP EN ISO/IEC 17025):

  • Ensaio realizado com balança manométrica hidráulica;
  • Pressão exercida no sensor por compressão de óleo;
  • Gama de 1 bar a 600 bar, em pressão relativa e absoluta.

Temperatura:

  • Ensaio realizado em banho de calibração com água do mar, e controlo de temperatura;
  • Comparação com termómetro de resistência de platina de 25 Ω, como padrão de referência;
  • Gama de 0ºC a 30ºC da EIT90.

Condutividade elétrica da água do mar por variação da Temperatura:

  • Ensaio realizado em banho com água do mar, com controlo de temperatura (de Temperatura alta para Temperatura baixa);
  • Recolha de amostras de água do banho estabilizado, determinando-se a Salinidade com o Salinómetro AUTOSAL, e a Temperatura com um termómetro de resistência de platina de 25 Ω;
  • A Condutividade de referência é calculada da Salinidade (PSS-78) e Temperatura (IPTS68);
  • Gama de 30 mS/cm a 60 mS/cm.

Condutividade eléctrica da água do mar por variação da Salinidade:

  • Ensaio realizado em 5 banhos à temperatura ambiente, com água a diversos valores de Salinidade;
  • Recolha de amostras de água do banho estabilizado, determinando-se a Salinidade com o Salinómetro AUTOSAL e a Temperatura com um Termómetro de resistência de platina de 25 Ω;
  • A Condutividade de referência é calculada da Salinidade (PSS-78) e Temperatura (IPTS68);
  • Gama de 0 mS/cm a 60 mS/cm.

Estes ensaios permitem calibrar diferentes tipos de equipamentos e sensores, de que são exemplo:

  • CTD - General Oceanics, Seabird, Idronaut, FSI;
  • SVP – AML, Valeport;
  • Correntómetros da Aanderaa - RCM 4, 7, 9, 11;
  • Sensores inteligentes da AADI - Temperatura, Condutividade e Pressão;
  • Sensores da RBR - TDR 2050;

É possível a calibração de outros equipamentos hidro-oceanográficos, estando a mesma dependente da obtenção de possíveis adaptadores para ligação aos equipamentos de laboratório (no caso de sensores de Pressão) e da análise prévia do equipamento.



Análise de Hidrocarbonetos aromáticos polinucleares provenientes de incidentes de poluição
Autoanalisador de fluxo segmentado (SFA) para análise de nutrientes na matriz água.
Amostra vertical da cobertura sedimentar a ser preparada para o cor logging no Laboratório de Sedimentologia
Granulometria (análise ao tamanho do grão) por peneiração no laboratório de Sedimentologia
Análise composicional de sedimentos com lupa binocular
Calibração de instrumentos
Calibração de uma boia ondógrafo
 2018-01-03   95 / 95 / 6559;