N.R.P. Açor (1923 -1933)

N.R.P. Açor (1923-1933)
N.R.P. Açor

Vapor, construído em Inglaterra, foi lançado ao mar com o nome «Bailinar», em 1874. Em 1885 recebeu o nome «Algarve».

Em 1886 foi rebaptizado «Açor», sendo, com este nome, adquirido pela Marinha, em 1892. Navegou como canhoneira, exercendo funções de fiscalização no Algarve e no arquipélago dos Açores. Em 1923 passou a navio hidrográfico, efectuando várias missões oceanográficas (recolha de amostras de águas) e hidrográficas (levantamentos hidrográficos) nas águas de Portugal Continental. Possuía um deslocamento de 335 toneladas e uma lotação de 54 homens.

Fonte: Teixeira da Silva, Reis Arenga, Silva Ribeiro, Santos Serafim, Alburquerque e Silva e Melo e Sousa. “A Marinha na Investigação do Mar. 1800-1999”. Instituto Hidrográfico, Lisboa 2001.

Foi construído em 1874, inicialmente pertenceu à Empresa de Navegação do Algarve com os nomes “Algarve” e “Gomes II”, sendo depois adquirido pelo Estado e transformado em lancha-canhoneira, a fim de ser empregue na fiscalização aduaneira. Assim, em 28 de Outubro de 1886, foi integrada no efectivo dos navios da Armada sendo denominada “Açor”.

Construída em ferro apresentava as seguintes características:

Deslocamento máximo .............................................335 toneladas

Comprimento (fora a fora)..........................................41,5 metros

Boca .......................................................................................5,8 “

Calado máximo..................................................................3,04 “

Velocidade........................................................................... 9 nós

Dispunha de uma máquina a vapor com a potência de 360 cavalos e foi armada com uma peça Hotchkiss de 47mm. A sua guarnição era de 53 homens (3 oficiais, 10 sargentos e 40 praças).

Em Outubro de 1918, prestes a findar a Grande Guerra, encontrando-se fundeada em Vila do Porto, na ilha açoriana de Santa Maria, coube-lhe a missão de recolher náufragos do caça-minas “Augusto de Castilho”, quando este foi torpedeado pelo submarino alemão U-139.

Em 10 de Fevereiro de 1923 foi classificado como navio hidrográfico. Efectuou então levantamentos hidrográficos nas águas de Portugal Continental e participou em diversas campanhas oceanográficas destinadas a recolher amostras de águas do mar. Entre os trabalhos em que esteve envolvido destaca-se o levantamento do rio Tejo entre Lisboa e Vila Franca de Xira.

Em 1928 o “Açor” foi entregue à Direcção dos Serviços Marítimos e em 1933 abatido ao efectivo dos navios da Armada.

Fonte: Revista da Armada, n.º 457, Novembro 2011.